Pesquisar este blog

domingo, 21 de julho de 2013

Depois de 9 anos, Xavante ergue a taça de Campeão

Brasil vence São paulo por 1x0 com gol de pênalti cobrado por Rafael Forster.
 
Direção libera e torcida invade o campo para comemorar o retorno do Xavante à elite do futebol com direto a campeão da Série A2 (Foto: Carlos Queiroz - DP)
  
Rafael Forster cobra pênalti e abre o placar para o Xavante aos 33 minutos do segundo tempo (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Depois do rebaixamento em 2009, ano do fatídico acidente sofrido pela delegação Xavante e que vitimou três pessoas do elenco rubro-negro, entre eles o ídolo Cláudio Milar, o torcedor voltou a sorrir. Em 2014, o Brasil está de volta à elite do futebol gaúcho. Há nove anos, o mesmo Rogério Zimmermann levantava o clube. E hoje, mais uma vez, a estrela do técnico brilhou, com o título da Divisão de Acesso.

A alegria da torcida, que apoiou o time em todos os momentos, tomou conta do gramado depois da invasão rubro-negra. O time volta à elite do gauchão após ser rebaixado em 2009, ano da tragédia que tirou a vida de Claudio Millar, Régis e Giovane, três pessoas homenageadas pela direção do Grêmio Esportivo Brasil, de Pelotas.

Em um coro só, jogadores na arquibancada e torcedores enalteciam o time com a frase: o campeão voltou. O momento de explosão foi quando o capitão Xavante, Leandro leite, levantou à taça de Campeão Gaúcho da Segunda Divisão. Se o pedido para que Rogério Zimmermann ficasse foi repetido várias vezes durante o jogo, quando o técnico ergueu o troféu foi quase como um compromisso. A festa no estádio Bento Freitas e na avenida Bento Gonçalves deve invadir a madrugada de domingo (21).

O jogo
Um primeiro tempo de jogo equilibrado e truncado, com os dois times marcando forte, mas com dificuldades, principalmente do Xavante de chegar na área adversária, mesmo com o placar do primeiro jogo na final no Aldo Dapuzzo à favor. Dos poucos ataques, as finalizações não contribuiriam para ambos os times a abertura do placar. Mas o que não faltou, nos primeiros 45 minutos, foi faltas.

O primeiro lance que levou perigo ao gol de Luciano foi aos 8 minutos, após cruzamento para área, que o goleiro deixou escapar a bola e Éder Machado tentou aproveitar a chance. Aos 11 minutos, numa cobrança de escanteio para o Xavante, a zaga rebateu e Maicon Sapucaia chutou de fora da área, para a defesa de Luciano.

Aos 18 minutos, após confusão na lateral direita, o jogador do rubro-verde, Diego Borges levou cartão amarelo. Aos 22 minutos, uma falta marcada por Maicon Sapucaia deu ao São Paulo a oportunidade de abrir o marcador. Luiz Müller fez grande defesa, espalmando a bola para escanteio. Já nos acréscimos, mais uma chance do Xavante, mas o jogo acabou mesmo terminando com a igualdade no placar.

Manutenção
Com o regulamento debaixo do braço, O Xavante desacelerou nos primeiro minutos do segundo tempo, o que favoreceram faltas e distribuição de cartões amarelos, como para o goleiro Luiz Müller e Wender. O jogo continuou equilibrado com o São Paulo mantendo a marcação forte, na tentativa de manter o placar. Mas aos 27 minutos, Alex Amado aproveitou a falha do zagueiro Gomes e quase marcou, mas acabou falhando na finalização.

Mas aos 30 minutos, Rogério Zimmerman substitui Maicon Sapucaia por Willian Kozlowski, que dois minutos depois sofre um pênalti de Émerson Dantas. Aos 33 minutos, Rafael Forster cobra com categoria e abre o placar para o Brasil.

Ainda no final do jogo, Gustavo Papa, que entrou no lugar de Éder Machado, cabeceou por cima do gol de Luciano. Depois disso, festa e alegria do torcedor Xavante, que festejou dentro do campo com os jogadores o sofrido retorno à Primeira Divisão do Futebol Gaúcho.
(Colaborou Bruno Marsilli)

Confira ficha técnica

Brasil

Luiz Müller
Wender
Cirilo
Fernando Cardozo
Rafael Forster
Leandro Leite
Washington
Cleiton (Canhoto)
Maicon Sapucaia (Willian Kozlowski)
Alex Amado
Éder Machado(Gustavo Papa)
Técnico: Rogério Zimmermann

São Paulo
Luciano
Caio Gomes
Carlão Farias
Wagner
Locatelli (Roicardo Ramos)
Carlos Alberto
Diego Borges
Saraiva
Fabiano Diniz (Michel)
Aylon (Diego Sapata)
Alê Menezes
Técnico: Rudi Machado 

Arbitragem: Francisco Silva Neto; auxiliado por Júlio César dos Santos e Elio Nepomuceno Júnior. O quarto árbitro é Alessandro Mocelin.
 
 (Por: Cíntia Piegas - Diario Popular)

Nenhum comentário:

Postar um comentário