Pesquisar este blog

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

APL prepara inauguração do pórtico em Pelotas



Além das palavras, a Academia Pelotense de Letras (APL) também é feita de símbolos. E o maior deles vai ser inaugurado no sábado (10), em Pelotas. Em cerimônia marcada para as 10h, um pórtico em frente à sede da instituição, no parque Dom Antônio Zattera, vai ser entregue ao município, ainda em comemoração ao bicentenário pelotense. A obra, contestada pelo Conselho Municipal de Cultura (Concult) em julho desse ano, tem estilo grego-romano, em sintonia com as raízes culturais do povo local e com a temática neoclássica dos casarios construídos em outrora.

Ainda nesta quinta-feira os operários trabalhavam na conclusão de pequenos detalhes artísticos, como a pintura da platibanda e a colocação de letras douradas formando o lema da APL: Per aspera ad astra, que em latim quer dizer "por ásperos (caminhos) até aos astros". Ou, na tradução livre da presidente Zênia De Leon, "através do trabalho, do sacrifício, nós chegamos a nossos ideais".

No total foram investidos quase R$ 40 mil no pórtico. Incluindo o letreiro, a estrutura e a fundação, que adentra quatro metros no solo. Tudo isso "sem um centavo público", afirma o tesoureiro Paulo Luís de Morais. Segundo ele, a verba foi arrecada através de eventos promovidos pela APL, contando com doações de empresários e da comunidade em geral.

Na cerimônia de sábado a academia vai entregar um termo de doação ao prefeito Fetter Júnior (PP). E o monumento, erguido pela cidade, se tornará mais um patrimônio arquitetônico de Pelotas.

Relembre
Em julho desse ano o anúncio das obras voltou a ser questionado. O Conselho Municipal de Cultura (Concult) encaminhou à prefeitura e ao Ministério Público solicitação de cessamento da construção do pórtico. De acordo com o Concult, tramita na Secretaria de Cultura desde 2007 solicitação para que a antiga escola onde funciona a sede da APL seja tombada e torne-se patrimônio histórico e cultural do município. Por esse motivo, não seria possível nenhuma alteração em suas características originais.

Em cinco anos o projeto tramitou por todas as secretarias e no dia 4 de julho foi submetido à avaliação do Conselho Municipal do Meio Ambiente (Compam) e aprovado. Ele parou sobre a mesa do órgão porque seria construído sobre uma área verde e pública. A primeira solicitação, feita em 2007, foi rejeitada pelo Concult após avaliação de profissionais da área.

( Por: Leonardo Crizel - DP)

Um comentário:

  1. Me orgulho muito do meu marido...pois a planta deste monumento foi entregue nas mãos dele em fim...Demorou sim mas graças a Deus e a capacidade de cada um ficou maravilhoso...Parabens á todos!

    ResponderExcluir